• Crônicas

    Sobre o amor infinito que sempre existiu entre nós.

    Ela nasceu no dia vinte e quatro de março de dois mil. Um pouco depois do carnaval. E eu me lembro bem quando o médico veio ouvir o coração pela última vez, de dentro da minha barriga. Suas batidas foram comparadas à bateria da Mangueira a todo vapor no carnaval. Com os meus recentes dezessete anos, foi a primeira vez que eu me senti mãe. Ali, na ante-sala de parto, eu tinha certeza absoluta que estava a poucos minutos da estréia de uma pequena extensão de mim. Trinta e seis semanas, quase nenhuma barriga, dor, medo, culpa, nenhum juízo e uma única certeza: a escolha era minha. Raiou a luz na sala de parto. Envergonhada pela minha nudez, num…

  • A dois,  Crônicas

    Bodas de madeira {Nú e Dani}

    Ontem enquanto tocava Pearl Jam no carro, nos olhamos, sorrimos e você pegou na minha mão.  Eu poderia congelar aquele momento se não fosse a voz delícia de Eddie Vedder dando continuidade à música e aos meus pensamentos... Aquele mesmo menino por quem me apaixonei perdidamente tá aqui do meu lado!  Quem diria que você se tornaria o melhor companheiro de viagem off surf?! Quem diria que eu curtiria tanto uma play list rock'n roll?  Tantas inversões que se atraem na nossa conchinha.

  • Crônicas

    Meu pai.

    O menino do lado direito e camisa preta na foto é o meu pai. Do lado esquerdo minha vó Nilsa e atrás dele meu vô Almerindo. Eu lembro desses dois, como se fizessem parte da minha vida até hoje. Minha vó era doce, falava devagar e tinha um sorriso tão lindo… meu vô era mais bronco, mas sempre foi um doce comigo. Era ele que fazia a reposição assídua da minha caixa de Mirabel. E era eu que andava posuda no banco do carona da sua kombi verde… Desses dois, meu pai. Que aprendeu com minha vó a ter esse coração mole, sensível e puro. Do meu vô ele herdou…

  • Aniversários,  Crônicas,  Laços que ficam

    Os 10 anos do Téo, por ele mesmo.

    “Era o dia do meu aniversário. O tema era bodyboard (tipo de surf). Queria meu aniversário em um lugar ao ar livre. Todos os meus primos foram e familiares também. Meu pai de se orgulhou do jeito que tratei os convidados, com educação e amor. De presente ganhei uma bola de rugby. Era churrasco, coisa que eu adoro, e eu passei boa parte da festa na piscina, joguei muito totó (ou pebolim)… até tentei jogar ping pong, mas não consegui jogar bem. Ganhei muitos presentes e alguns livros e alegria no meu coração e no dos convidados. E isso aconteceu pelo amor que dei. Depois dessa diversão, tirei um descanso……

  • Bahia,  Crônicas,  Por aí

    Desacelerar.

    Nove da manhã. Alongamento, espreguiçadeira, um mergulho, água quente, vento no rosto, praia deserta, só nós dois. Sorte. Agradecimento. Pensamento voa longe, sem fim… tão infinito quanto o horizonte desse mar. É preciso pouco. Desacelerar. Cinco cervejas pra mim. Água de coco pra ele. Ceviche pra dois. Eu e ele. Ele, entediado, precisando de mais movimento. Eu, borboleta, voando longe sem precisar sair do lugar. Podia ficar ali na mesma posição mais vinte e quatro horas. A conta. Uma chuveirada. Rock e amor. Casinha, chocolate e minha companhia oposta preferida: Ele. Só ele. ❤ — em Rio Da Barra – Trancoso/Ba.

  • Crônicas

    Construção

    Há alguns anos atrás, enquanto nosso carro trafegava pela Rodovia do Sol – sentido Guarapari, pela janela eu observava a paisagem, perdida entre meus pensamentos. Logo à direita uma casinha de madeira anunciando a venda de casas do mesmo porte. Suspirei. “Ah, meu sonho uma casinha de madeira!” O marido, que estava ao lado, não se conteve e mais que depressa respondeu ríspido: “Dá cupim!” Ouvia-se o barulho insistente dentro da minha cabeça: “Quén-quén-quén-quééénnn!!!” Quanta insensibilidade! Permaneci contida com minha vontade enorme de falar um palavrão. Durante todos esse anos o relacionamento foi tomando forma, na teoria aprendemos o que era importante para nós dois e que pequenas coisas são…

  • Crônicas

    Arquitetando

    Acredito que uma das melhores coisas da vida é buscar conhecimento. E é por isso que da forma que me cabe, vou me aproximando do quase impalpável… Gosto de estar perto de gente, coisas e lugares que me deixem à vontade para responder a quantas perguntas couberem na minha curiosidade. Dessa vez, me inscrevi em um módulo de 8 aulas sobre arquitetura de ambientes com curadoria da Bel Lobo e alguns dos muitos profissionais os quais admiro. O melhor dessa história é ir descobrindo no meio do caminho que aqueles que sempre vi por ai, presente em mostras de decoração, ganhando prêmios de design, fazendo mansão de gente muito rica,…