Desacelerar.

Nove da manhã. Alongamento, espreguiçadeira, um mergulho, água quente, vento no rosto, praia deserta, só nós dois. Sorte. Agradecimento. Pensamento voa longe, sem fim… tão infinito quanto o horizonte desse mar. É preciso pouco. Desacelerar. Cinco cervejas pra mim. Água de coco pra ele. Ceviche pra dois. Eu e ele. Ele, entediado, precisando de mais […]

Continue lendo