Corporativo,  sem categoria

Pose na empresa.

Festa de final de ano na empresa é sempre assim: o momento em que os ânimos se alteram, para o bem ou para o mal. Aos organizadores fica o desafio: ter a medida perfeita para dosar o clima de descontração e mesclá-lo ao ambiente de trabalho. Do churrasco de confraternização à noite corporativa de pompa e requinte, independente do tipo do evento, a tônica é a mesma: congregar os funcionários da melhor maneira, celebrando o encerramento de mais um ano, e recarregando as baterias para a labuta do seguinte.

É um evento onde se encaixam vários perfis de celebração. O que vai ser oferecido ao funcionário depende do que a empresa quer salientar. Se o ano foi bom, é momento de celebrar em grande estilo. Se ficou aquém do esperado, é hora de motivação, talvez com algo mais intimista e pessoal. Tudo dependerá do orçamento, do roteiro do evento e do número de convidados.

Ponto de partida:

Uma das primeiras ações a se pensar é quem a festa vai reunir: só os funcionários ou também suas famílias? Festas diurnas, geralmente realizadas no final de semana, estendem o convite a acompanhantes. Essas ocasiões envolvem a produção de churrasco ou almoço no campo, muitas vezes em sítios ou fazendas. Elas geram oportunidade de entrosamento das equipes e se tornam um bom momento de confraternização das famílias. Nessas reuniões festivas não só os funcionários devem ser lembrados, pois por se tratar de grandes reuniões, há espaço também para os colaboradores mais assíduos.

Democracia é outra palavra-chave. As boas festas empresariais devem reunir todos os funcionários, desde os cargos operacionais até o executivo. É delicado e correto promover uma festa única, com áreas ou mesas reservadas para o nível hierárquico.

Etiqueta para celebrar

O horário escolhido é primordial para o perfil que ele terá, e a forma como deverá ser conduzida. As que são realizadas durante o expediente da empresa, mas na parte da tarde, pedem mais recato, já que de alguma forma as pessoas estão dentro do ambiente de trabalho.

O protocolo prevê a fala oficial, o discurso de um alto representante da empresa, por vezes o próprio presidente. Este estilo de confraternização é indicado para situações especiais, como quando a empresa atingiu ou superou as metas do ano.

Por Marina Bandeira Klink Revista Festa Viva nº. 23

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO